Tendinopatia: Entenda o que é e como a fisioterapia pode ajudar

Tempo de leitura: 5 minutos

Muito comum entre praticantes de esportes, a tendinopatia é uma condição pouco conhecida pela maioria das pessoas. Entenda mais sobre essa doença neste artigo que a Central da saúde preparou.

Sabe aquela dor no ombro que você sentiu após realizar um esforço físico ou carregar muito peso? Ela pode ser indicativa de que você sofre de tendinopatia. Da mesma família da tendinite e da tendinose, a tendinopatia é uma doença dos tendões, partes do corpo que têm como principal função conectar os músculos às estruturas ósseas.

Quando falamos de tendões, achamos que qualquer dor nessa região se trata de uma inflamação, uma tendinite e que pode ser resolvida apenas tomando analgésicos e antiinflamatórios. Porém, você sabia que muitas vezes essas inflamações são na realidade  lesões? Descubra o que é a tendinopatia e como realizar o melhor tratamento.

O que é a tendinopatia?

A tendinopatia é uma lesão nos tendões que impede o paciente de realizar atividades físicas, podendo ocorrer de forma branda ou crônica, a doença pode até impedir a realização de tarefas básicas do cotidiano. 

A condição afeta todos os tipos de pessoa. De atletas a pessoas sedentárias, de jovens a idosos, a tendinopatia se manifesta por diversos motivos e por isso os casos devem ser analisados individualmente.

O que provoca a tendinopatia e quais são os fatores de risco?

Imagine que os tendões são estruturas semelhantes a cordas, com vários fios trançados que são bem resistentes e nos ajudam a realizar atividades e esforços físicos ao longo do dia. Agora imagine que essa corda pode romper dependendo do tipo de esforço e de como ele é feito. É assim que funciona uma lesão nos tendões. 

A tendinopatia é provocada pelo esforço físico repetitivo e pela extensão e flexão do tecido muscular de forma contínua, provocando pequenas lesões e levando a um processo degenerativo dos tendões.

Esse processo acontece e também pode ser facilitado por fatores de risco como:

  • Treinamentos de alta intensidade;
  • Levantamento de muito peso no tendão;
  • Equipamento inadequado para treino; 
  • Excesso de flexibilidade nas articulações;
  • Músculos fracos;
  • Prática inadequada de exercícios físicos como vôlei, corrida, tênis e basquete;
  • Envelhecimento, causador do enfraquecimento dos tendões;
  • Diabetes e artrite reumatóide.

Quais são os tipos de tendinopatia

Existem 3 tipos de tendinopatia:

  • Tendinopatia reativa: acontece depois de excessos na atividade física ou em casos de falta de recuperação adequada;
  • Tendinopatia de desreparo: quando ocorre desarranjo e enfraquecimento das fibras e colágeno;
  • Tendinopatia degenerativa: quando ocorre o agravamento da tendinopatia de desreparo. É comum no caso de pessoas idosas. 

Como tratar a tendinopatia?

Dentre os tratamentos disponíveis para a tendinopatia estão o descanso da articulação atingida, a crioterapia (aplicação de gelo no local), medicamentos antiinflamatórios e sessões de fisioterapia

O tratamento deve ser adequado para o tipo de tendinopatia, fortalecimento muscular e dos tendões é fundamental para a melhora das dores e da doença em si, sendo importante a prática de exercícios que reabilitem a região afetada. Ou seja, nada de colocar apenas gelo e ficar em repouso! Para uma recuperação plena, é necessária a reabilitação da região lesionada. 

Lembre-se: o acompanhamento com o fisioterapeuta é fundamental para garantir uma recuperação segura e eficaz. Ao sofrer qualquer lesão, procure ajuda para não agravar mais a condição. 

Qual é a diferença entre tendinite e tendinopatia e qual é mais grave? 

É considerada tendinite pela classe médica a inflamação dos tendões. Algumas pesquisas já apontam que a tendinite não pode pode ser considerada mais como uma condição separada, sendo então já uma tendinopatia em estágio inicial, que é uma degeneração não inflamatória nos tendões, provocada por pequenas lesões.

Diferente da tendinite, a tendinopatia requer alguns meses de tratamento, já que se trata de uma lesão..

A tendinite é o início de um processo inflamatório no tendão. Já a tendinopatia é uma lesão mais complexa e grave.

A tendinopatia do Felipe Neto

Recentemente, a tendinopatia ganhou visibilidade na grande mídia por conta do relato do youtuber Felipe Neto, que sofreu da condição no início de janeiro. 

Em seus relatos, Felipe contou que estava sentindo dores muito fortes nas articulações, causadas por excesso de esforço físico. “Eu estou com uma tendinopatia nesse tendão que liga esse músculo do bíceps com a dobrinha do braço. É uma dor insuportável toda vez que eu levanto qualquer coisa. Por exemplo, se eu levantar um livro eu já sinto o braço dando uma fisgada”, disse o influenciador. 

Ainda relatando a condição, o youtuber revelou que estava exagerando na carga de peso durante os exercícios físicos. “…eu descobri que estava pegando mais peso do que deveria, estava pegando 18 quilos no bíceps, e eu não sabia que era exagero, até porque eu estava aguentando, mas não deu bom”.  

Relatos como o do Felipe Neto mostram como a tendinopatia pode ser uma doença silenciosa, que se manifesta por conta de diferentes comportamentos na hora de realizar atividades físicas no dia-a-dia. 

Condições como a tendinopatia podem ser tratadas se diagnosticadas a tempo. A fisioterapia aliada aos medicamentos adequados pode reverter a situação e devolver qualidade de vida e mobilidade para quem sofre com a doença. 


Agora que você sabe um pouco mais sobre a tendinopatia, as suas causas e os tratamentos? Que tal compartilhar este artigo com alguém que precisa dessa informação? 

Você sabia que a Central da Saúde oferece atendimento com os melhores fisioterapeutas a domicílio? 

Entre em contato conosco e saiba como agendar a sua consulta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *