Já ouviu falar da Síndrome de Guillain-Barré?

Tempo de leitura: 4 minutos

A novela “Segundo Sol” da Rede Globo, exibida em 2018, mostrou que uma de suas personagens, a vilã Rochelle (vivida por Giovanna Lancellotti), descobriu que sofria de uma doença rara, que acomete entre uma e quatro pessoas a cada 100 mil habitantes, a Síndrome de Guillain-Barré. Em março de 2019, o ator Dan Ferreira, que fazia o papel de Acácio Pereira na mesma novela, foi internado com sintomas da doença. Assim como lúpus, artrite reumatoide, doença de Crohn e a esclerose múltipla, esta enfermidade possui mecanismo de ação autoimune, uma espécie de “fogo amigo” em que células de defesa do organismo passam a atacar partes do próprio corpo. Na

Síndrome de Guillain-Barré, o alvo dos ataques são os nervos, responsáveis por conectar o sistema nervoso central com todo o corpo, causando fraqueza muscular, redução ou, até mesmo, ausência de reflexos.

A ciência ainda não tem clareza sobre as causas da Síndrome de Guillain-Barré, mas já se sabe que a doença surge, normalmente entre sete e 10 dias após uma infecção viral das vias respiratórias ou do intestino. Estão associadas ao seu aparecimento os vírus da Zika, dengue, chikungunya, citomegalovírus, vírus Epstein-Barr, do sarampo, de influenza A, Mycoplasma pneumoniae, enterovirus D68, hepatite A, B, C, HIV, entre outros. Ao seu aparecimento também pode estar associado à bactéria Campylobacter jejuni, que causa diarreia.

Principais sintomas

Já ouviu falar da Síndrome de Guillain-Barré?

Os sintomas mais comuns sentidos pelos pacientes são fraqueza muscular ou paralisia, que começa pelas pernas e que pode, em seguida, progredir para o tronco e afetar os braços e a face, com redução ou ausência de reflexos ou em sentido contrário. É possível também que haja formigamento, dormência, câimbra, dor nos pés ou nas mãos e descoordenação.

Outros sintomas podem incluir hipotensão ou baixo controle da pressão arterial, visão turva; descoordenação e quedas – como acontecia na novela com personagem Rochelle –; dificuldade para mover os músculos do rosto, contrações musculares, palpitações e dificuldade de fechar os olhos.

A fraqueza muscular acomete os dois lados do corpo e, se a inflamação afetar os nervos do diafragma e do peito, o paciente poderá necessitar de respiração artificial. Além disso, há sintomas que são emergenciais e, mediante seu aparecimento, a procura por um médico deve ser imediata:

  • não conseguir respirar profundamente e ter dificuldades para respirar
  • perda de movimentos
  • dificuldade para engolir
  • alteração da sensibilidade
  • diminuição da força muscular
  • babar
  • desmaios
  • vertigem ao se levantar
  • visão dupla
  • crise epiléptica
  • confusão mental

Como é feito o tratamento?

Já ouviu falar da Síndrome de Guillain-Barré?

Não existe cura para a Síndrome de Guillain-Barré. No entanto, há tratamentos que ajudam na redução dos sintomas e fazem com que o paciente volte a levar uma vida normal. A dor é tratada com anti-inflamatórios e outros medicamentos. Quando detectada no início, é possível remover ou bloquear a ação dos anticorpos que atacam as células nervosas. Um dos métodos é o uso de doses de imunoglobulina intravenosa (IgIV), ou por meio da remoção dos anticorpos com o auxílio de uma máquina que faz a filtragem do sangue (plasmaférese). Ambos os tratamentos estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), que dispõe do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para a

Síndrome de Guillain-Barré.

Nos casos mais avançados, quando o diafragma está debilitado, o paciente deve contar com ventilação mecânica e, se houve debilidade dos músculos da deglutição, é necessário o uso de sondas. Os pacientes também passam por tratamento fisioterápico para ajudar a fortalecer os músculos e deixá-los mais fortes. A maioria das pessoas se recupera completamente, mas pode haver aquelas em que a fraqueza persiste. Entretanto, mesmo sem apresentar sintomas, o paciente continua a ter a doença, por isso é importante estar sempre atento. A boa notícia é que não há necessidade de tratamento de manutenção fora da fase aguda da doença.

Como é feito o diagnóstico?

Já ouviu falar da Síndrome de Guillain-Barré?

Não há maneiras de prevenir a doença e por ter sinais e sintomas muito semelhantes a muitas outras enfermidades, não é fácil diagnosticar a Síndrome de Guillain-Barré. Mas, se já houver um histórico de fraqueza muscular crescente e paralisia, estes podem ser sinais da síndrome de Guillain-Barré, principalmente se houve uma infecção recente. O médico ainda fará exames que apontem se há fraqueza muscular, problemas nos reflexos dos joelhos, na respiração, pressão arterial e frequência cardíaca.

Na novela, a vilã Rochelle fica temporariamente paralisada, mas volta a andar aos poucos. Lembre-se de que, para viver seus melhores dias, é fundamental manter uma alimentação saudável, uma rotina de exercícios e sempre procurar um médico em caso de dúvidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *